Existem alguns mitos e noções erradas sobre o preço do seguro de vida. Por conta disso, a maioria dos consumidores acredita que ele é um luxo — e que sai muito caro para o bolso.

Na realidade, estar segurado pode ser mais barato do que alguns pequenos gastos cotidianos. A proteção dos seus entes queridos também é algo que deve fazer parte do seu planejamento — afinal, essa é uma forma de proteger pessoas especiais que dependem da sua renda.

No post de hoje, listamos 4 coisas que custam mais do que o preço do seguro de vida para ajudar você a repensar suas finanças. Vamos começar?

1. Alimentação fora de casa

Você já deve ter percebido que se alimentar em lanchonetes e restaurantes é bem mais caro do que comprar produtos e cozinhá-los em casa, não é?

No entanto, muita gente acaba optando por almoçar fora, principalmente em função do tempo reduzido e da impossibilidade de preparar marmitas e lanches no curto período restante para descanso.

Pois contratar um seguro de vida pode sair mais barato do que isso: enquanto a média de investimento pode não passar dos R$ 30 mensais, só o cafezinho diário após o almoço pode levar cerca de R$ 60 da sua conta bancária no fim do mês.

2. Idas ao cinema

Entretenimento também é algo que pode custar mais do que investir na segurança e bem-estar da sua família. Ir ao cinema, por exemplo, exige um investimento aproximado de R$ 30 de ingresso para cada pessoa, sem levar em conta deslocamento e alimentação.

Como você já sabe, investir em um seguro de vida pode sair bem mais barato do que aquele filminho com pipoca todo mês. Afinal de contas, o gasto total com essa atividade (para duas pessoas) pode ultrapassar os R$ 100.

3. Estacionamento pago

Muitas pessoas estão atentas a possíveis danos a seus patrimônios enquanto estão vivas, mas se esquecem de que, se os seus herdeiros não tiverem condições de mantê-los, esses bens se deteriorarão e não servirão para sustentá-los ou dar a eles algum conforto.

Você provavelmente já ouviu falar que carros são como filhos, e sua manutenção exige muito dinheiro. Taxas, consertos e até mesmo seguros são essenciais. Porém, já parou para penar o quanto você gasta apenas para estacioná-lo em locais que cobram por hora?

Quase nenhum estabelecimento possui estacionamento gratuito, e o preço da hora pode ir de R$ 10 a R$ 30 conforme a localidade. Uma fração de tempo pode acabar saindo mais cara do que o investimento mensal em um seguro de vida.

4. Corridas de táxi

Não tem carro, mas vive precisando deslocar-se rapidamente pela cidade? Viagens de táxi — e até mesmo com aplicativos que permitem a contratação de motoristas particulares, como Uber e Cabify — podem custar ao bolso mais do que se imagina.

Uma simples corrida de 10 km em um trânsito com fluxo bom pode custar aproximadamente R$ 40, um valor que ultrapassa o investimento mensal de alguns seguros de vida com excelente cobertura.

Viu como atividades comuns do dia a dia podem sair mais caras do que o preço do seguro de vida? Compartilhe esse texto nas suas redes sociais e mostre aos seus amigos os mitos envolvidos na contratação desse serviço!