Planejamento é o primeiro passo para se ter uma vida financeira saudável. Mas a verdade é que muitas vezes gastamos um pouco mais do que devemos e acabamos contraindo débitos de cheque especial, cartão de crédito entre outros. Em outros casos, desejamos comprar um bem, como um carro ou uma casa, e não temos recurso suficiente em caixa para bancar o sonho, tendo muitas vezes que recorrer a outros meios.  

Por um motivo ou outro, endividar-se é uma realidade recorrente na vida de muitos brasileiros. Assim sendo, devemos ter conhecimento de como sair das dívidas, caso isso aconteça.

Escolha quais dívidas pagar

Muitas vezes as dores de cabeça provocadas pelas dívidas são tão grandes que só queremos nos livrar logo do problema. Mas, em alguns casos, isso pode não ser uma boa estratégia. Não é indicado gastar toda a sua reserva para pagamento de dívidas com baixas taxas de juros, como financiamento de imóveis ou automóveis. Principalmente no caso de existirem outras dívidas. É importante que se priorize as dívidas mais caras, e não as mais longas.

As dívidas com as maiores taxas de juros devem se antepor àquelas de menor encargo. Procure o credor da maior dívida, tente negociar e pague-a o mais rápido que você puder. Quando eliminá-la, passe para a próxima e assim sucessivamente.

Cuidado com o cartão de crédito

Pagar apenas o valor mínimo da fatura do cartão de crédito é o mesmo que quitar o valor dos juros daquele mês. Consequentemente, isso não abate em nada da sua dívida. Assim, podem levar anos até que você liquide completamente o que deve e muito provavelmente você terminará pagando muito mais do que o valor inicial da dívida. Nós publicamos um guia de como ter boas práticas com o seu cartão de crédito para não contrair dívidas, já que essa é uma das maiores taxas de juros que existe. Veja.

Peça ajuda e tente negociar

Elabore um balanço para saber como anda o abatimento de suas dívidas a cada mês. Caso você não consiga amortizá-las, procure ajuda em algum órgão de defesa do consumidor.

Seus credores devem tomar conhecimento de sua real situação. Saiba que da mesma forma que você tem interesse em quitar as suas dívidas e regularizar sua situação, eles estão interessados em receber esse pagamento. É provável que seus credores negociem uma forma viável para você pagar.

Busque outras formas de conseguir recursos

Em alguns casos, é recomendável que você use o dinheiro que você investe, pois, na maioria das vezes, o rendimento dos seus investimentos são bem menores que os juros cobrados pelos financiamentos do mercado. Mas fique atento! Isso pode comprometer seus objetivos de longo prazo, como a compra de algum bem ou até mesmo sua aposentadoria.

Outra opção interessante é buscar a portabilidade da dívida para uma outra instituição financeira.  Para isso é importante que se faça uma pesquisa. Cooperativas de crédito costumam oferecer taxas menores em relação aos bancos comerciais por não terem fins lucrativos.

Entenda, saber trabalhar com suas dívidas irá refletir no envolvimento e comprometimento em mudar de situação. Veja quais as melhores opções e tente flexibilizar suas finanças. Dessa forma, com o tempo, você conseguirá deixar suas dívidas no passado e seguir em frente com saúde financeira e as contas equilibradas. Conte com a gente para  qualquer auxílio!