Lidar com as nossas próprias é desafiador. Agora, complicado mesmo é cuidar do orçamento da família toda. Por isso, a importância de um planejamento. Com uma boa educação financeira, fica bem mais fácil gerir as contas de todos e definir metas para o futuro.

O primeiro passo sem dúvida é entender que a família deve estar envolvida para alcançar o equilíbrio nas contas, incluindo os filhos. Aposte sempre em uma comunicação aberta quando se trata das finanças da casa. Comprometimento, foco e dedicação formam a base para um planejamento eficaz.

Para deixar o planejamento mais fácil, separamos algumas dicas interessantes sobre educação financeira.

CONHEÇA E ORGANIZE SEUS GASTOS

Tenha sempre todas as despesas na ponta do lápis. Registre desde os gastos básicos, como aluguel, supermercado, água e luz, até os considerados supérfluos, como o cafézinho depois do almoço. Se ainda não tem uma boa organização de suas contas, não perca mais tempo, isso fará uma grande diferença no final do mês.

Caso não queira anotar todo dia seus gastos e nem juntar um monte de notinhas de cada compra, não tem problema! Contanto que se tenha um método de registro, você ficará mais atento.

Conferir o extrato no final do mês com o aplicativo de sua instituição financeira ou montar uma rotina de controle, por exemplo a cada dez dias, também são boas opções para quem quer estar sempre com as contas organizadas.  

SAIBA COM ANTECEDÊNCIA SUAS DESPESAS FUTURAS

Todos os anos nos preparamos para gastos significativos como: IPVA, IPTU, a matrícula escolar dos filhos e outros gastos fixos da família. Por maior que seja o montante, pagar essas contas não precisa ser um sufoco. A palavra chave é: reservar! Nos meses de menor despesa, guarde dinheiro para esses gastos fixos e, evite ao máximo tomá-lo como “salva vidas” na hora de uma emergência.

Mas preste atenção! Planejar despesas futuras não envolve apenas cuidar das contas fixas. Uma viagem de férias com toda a família, por exemplo, também merece ser pensada com antecedência. Organize os gastos previstos, mesmo os de curto prazo.

PENSE SEMPRE NO COLETIVO QUANDO FOR GASTAR

Esta dica é muito importante! Antes de comprar algo, pense sempre na real necessidade da família. Sempre existe aquele que é conhecido por comprar mais. Para frear os gastos, tente sempre criar e incentivar, principalmente nele, a ideia de que o dinheiro é de todos.  

Além disso, preste atenção nos gastos desnecessários em casa e também naqueles velhos hábitos como trocar o carro todo ano. Se o veículo atende bem a todos, será que realmente há a necessidade de trocá-lo? Aqui, não queremos passar a ideia de que não se pode gastar com produtos para cada indivíduo. Mas sim propor o entendimento de que educação financeira familiar consiste em pensar no coletivo sempre.

ESTABELEÇA METAS DE ECONOMIA POR MÊS

Uma vez que é identificado o gasto mensal da família, é possível fazer previsões e definir metas. Se a renda familiar é fixa, o mais interessante é especificar um valor mensal para poupar. Por outro lado, se o que a família arrecada varia de acordo com o mês, criar metas de economia em porcentagem pode ser uma opção mais viável.

A estratégia de economia pode ser ainda mais simples: se a prestação da geladeira termina esse mês, por que não guardar o mesmo valor no mês que vem, em vez de substituir por outra prestação? Afinal, a educação financeira familiar não deve ser restrita ao controle de gastos, mas também envolve gerar dinheiro. Outra boa opção é pensar em formas de investimento financeiro, aplicações vantajosas quanto ao rendimento, por exemplo o RDC.

Crie regras para cortar gastos

Após organizar o orçamento familiar, identificar os gastos fica muito fácil. Porém, despesas como água, energia elétrica e telefone são itens básicos nos quais sempre é possível economizar. Medidas como demorar menos no banho, apagar as luzes quando sair dos cômodos, por mais clichê que sejam, são eficazes para cortar gastos.

Procure estender a todos os membros da família os cortes no orçamento, até mesmo aos animais de estimação. Você já pensou em  trocar os banhos do seu animal de estimação, por banhos em casa?

É importante contar principalmente com a participação dos filhos: para cada uma dessas simples ações no dia a dia pode-se criar um sistema de recompensas e brincadeiras. Por exemplo: começam todos com 10 pontos (inclusive você pai e mãe) e para cada luz esquecida acesa sem ninguém no cômodo, 1 ponto a menos. Ou então, 10 minutos no máximo de banho, quem passar desse tempo perde 1 ponto. No final de determinado período, quem tiver o maior número de pontos é recompensado com um prêmio. Um jeito simples e divertido de incentivar seus filhos a participarem da economia em casa e ainda mostrar que economizar pode gerar uma recompensa.

AINDA FALANDO EM FILHOS…

Os filhos devem saber da real condição financeira da família, até para não se frustrarem por não terem o padrão de vida que desejam. Com uma boa educação financeira é mais fácil ter a parceria deles no controle das despesas. Por que não incentivá-los a criarem suas próprias planilhas financeiras?

Além de deixá-los mais conscientes sobre os próprios gastos, é uma ótima forma de prepará-los para o futuro. E não esqueça: os filhos têm grandes chances de reproduzir futuramente os hábitos da vida financeira familiar na qual cresceram. Por isso, tenha sempre em mente que você deve dar o exemplo e economizar junto.

Faça suas pesquisas, busque por modelos de planilhas que funcionem para a sua família e perceba que educação financeira é o essencial para manter uma realidade econômica saudável. Por fim, para que o dinheiro seja empregado corretamente e a família não passe por sufocos, a saída é ser realista, fazer as contas e economizar!