Ter uma dívida é sempre uma situação desconfortável. Mas para toda situação existe uma explicação e uma forma de lidar. Neste texto, vamos explicar qual a diferença entre inadimplência e endividamento. Apresentaremos algumas dicas para que você consiga contornar ambas as situações e ter uma vida financeira mais saudável. Vamos lá!

Para começar a entender, o devedor é aquela pessoa que possui dívidas acumuladas e sem poder de capital, no momento, para quitá-las. Já a pessoa em situação de inadimplência é aquela que, depois do prazo limite de pagamento, ainda não tem capital para pagar, ou seja, é aquela pessoa que não cumpre suas responsabilidades financeiras.

O que deve ficar claro, é que uma pessoa pode possuir dívidas e não necessariamente estar passando por problemas financeiros sérios. Ambas as palavras podem remeter a dificuldades financeiras, mas as situações são muito diferentes.

ENDIVIDAMENTO

O endividamento é a incapacidade do consumidor, de boa fé, pagar as suas contas. Essa pessoa é a que faz dívidas e possui a intenção de pagar, mas que em algum momento, por diversos motivos, se vê impossibilitado de quitar seus débitos. Por exemplo, se você compra com o cartão de crédito e divide as compras em parcelas, já pode ser enquadrado como um endividado, uma vez que comprou com um dinheiro que não possui no ato da compra.

No endividamento, o consumidor possui a tendência de quitar suas dívidas, sem o comprometimento de sua renda mensal que é utilizada para suprir suas necessidades básicas.

Muitas vezes, o endividamento acontece por conta do devedor superestimar o seu rendimento, pela incapacidade de administrar seu orçamento ou por ter um hábito de consumo que não condiz com o estilo de vida que realmente tem.

É muito importante organizar suas contas e ter um monitoramento dos seus gastos para que situações como essas não virem a sua realidade, mas sim algo pontual ou que, idealmente, não aconteça. Só com controle e organização você conseguirá manter sua vida financeira saudável.

INADIMPLÊNCIA

A inadimplência acontece quando o consumidor não consegue mais pagar suas dívidas em dia e, isso pode ocasionar uma bola de neve, porque acabam recorrendo a outras dívidas para quitar as anteriores. Por exemplo, quando uma pessoa realiza um empréstimo para quitar outro empréstimo já feito. Sem dúvidas essa não é uma saída favorável.

Geralmente, a busca por outras linhas de crédito (mais caras), acaba ocasionando o aumento das dívidas e, consequentemente levando o consumidor a insolvência financeira, ou seja, quando o devedor tem prestações a cumprir superiores aos rendimentos que recebe.

É preciso ter em mente a diferença de forma bem clara, pois há uma relação muito íntima entre as duas situações. Saber identificar em qual situação você está é essencial. Só assim é possível agir de forma responsável e solucionar o desconforto gerado pela dívida. Para se chegar à inadimplência é necessário estar endividado, mas nem todo devedor é inadimplente.

DICAS DE ESPECIALISTA

  • Faça um bom monitoramento:

Primeiro, entenda que monitorar suas dívidas quer dizer que será possível visualizar o tamanho do problema. Para eliminar as dívidas, definitivamente, é fundamental admitir que as elas são resultados de escolhas equivocadas e que será necessário maior comprometimento e disciplina. Saber identificar hábitos de consumo e monitorá-los é fundamental para que a mudança aconteça.

  • Objetive e direcione seus gastos:

Nesta segunda dica, focaremos no que é mais importante em sua vida. Você deve refletir sobre quais são suas prioridades, a compra de um carro ou ter a casa próprias, por exemplo. Esse planejamento deve ser feito para que primeiro você consiga eliminar suas dívidas e direcione sua verba em busca de novas conquistas.

Priorizando o que é mais importante, você não cairá facilmente no consumo excessivo e displicente. É preciso ter responsabilidade financeira, assim você irá sempre questionar se o gasto que está tendo o deixará mais longe ou perto de seus objetivos.

  • Tenha comprometimento:

Ter conhecimento sobre seu dinheiro, seus gastos e o impacto deles em sua renda é importantíssimo. Aos poucos tente abrir mão de gastos supérfluos, pois  só com comprometimento é possível contornar situações de endividamento. Mantenha-se focado e perceba que com o tempo conseguirá ajustar suas contas.

Endividamento e inadimplência são situações diferentes, mas ambas refletem um descontrole de gastos. Independente da confusão causada pelos termos, você deve sempre procurar aumentar seus esforços, para entender que o gasto consciente é fundamental para uma vida financeira de qualidade.

Dessa forma, você poderá organizar seu orçamento por prioridades e de acordo com seus objetivos, sem se preocupar com dívidas do passado, mas sempre pensando no futuro e no seu crescimento financeiro.