No Brasil, vários impostos precisam ser declarados nas mais diversas atividades. Entre eles está um dos mais conhecidos: o Imposto de Renda.

Com a grande quantidade de tributos e as maneiras diferentes de se pagar cada um, é normal que surjam dúvidas frequentes, principalmente em relação ao IRPF. Para evitar dores de cabeça, é importante ficar antenado quanto às informações principais sobre as taxas cobradas pela Receita.

Por isso, reunimos as perguntas mais importantes sobre o IRPF e montamos este artigo. De bônus ainda trouxemos algumas dicas para que você não se endivide com o tributo. Confira!

Quem é obrigado a declarar Imposto de Renda?

A Receita Federal possui uma lista bem específica sobre quem precisa pagar o IRPF. Às vezes essa tabela é atualizada, mas não há previsão de reajuste para 2018.

Atualmente, é obrigado a declarar quem atende a um ou mais desses requisitos:

  • brasileiro residente no Brasil que tenha recebido, no ano anterior, rendimentos tributáveis (salário, aluguel, aposentadoria) acima de R$ 28.559,70;
  • tenha recebido rendimentos não tributáveis, isentos ou tributáveis na fonte (prêmios de seguros ou aplicações financeiras, por exemplo) acima de R$ 40 mil;
  • realizou operações na Bolsa de Valores, de futuros, mercadorias ou semelhantes;
  • obteve receita bruta acima de R$ 142.798,50 em atividade rural;
  • possui imóvel ou propriedade com valor acima de R$ 300 mil;
  • começou a morar no Brasil no ano anterior.

O que acontece em caso de atraso na declaração do IRPF?

Caso a declaração seja entregue após o prazo definido pela Receita, haverá a cobrança de multa.

Se no ano anterior você não teve rendimentos relativos à declaração mas foi obrigado a pagar por atender outro requerimento, então a multa é de R$ 165,74.

Porém, se houve rendimentos declarados, então a multa incide sobre o “imposto devido”, que é a soma do valor pago no ano anterior com o valor a ser pago no ano em questão. Nesse caso o valor cobrado é de 1% ao mês sobre o valor do imposto devido, limitado a 20%.

Como a Receita identifica quem sonega?

A cada ano o controle da Receita Federal fica mais sofisticado, tornando cada vez mais difícil não cair na malha fina.

Cruzando os dados dos CPFs dos contribuintes a Receita pode descobrir quem omite rendimentos, inventa despesas ou pensões, declara falsos dependentes, altera o valor do aluguel recebido e outras formas de sonegação.

Como faço para declarar?

Existem duas formas de declarar o IRPF: utilizando o modelo simplificado ou o modelo completo.

Na versão simplificada, basta que você some todos os rendimentos tributáveis e calcule o valor de 20% sobre o resultado. O limite a ser pago nessa opção é de R$ 16.754,34.

Já na versão completa, os custos com médicos, planos de saúde, despesas com dependentes (filhos, cônjuge etc.) e outros gastos poderão ser descontados.

Atualmente a Receita disponibiliza um programa para a declaração online, mas o processo também pode ser realizado em qualquer agência bancária integrante do sistema de recolhimento de impostos.

Quais são os documentos necessários?

É comum que a Receita cobre a apresentação de alguns documentos no momento da declaração. A seguir você confere uma lista do que pode ser solicitado:

  • cópia da declaração do IRPF do ano anterior;
  • dados de contas bancárias;
  • informes de rendimentos recebidos;
  • informe de rendimento de corretoras, caso possua;
  • comprovantes de pagamento ou recebimento de aluguel;
  • recibos de gastos que podem ser deduzidos.

Como não se endividar com o IRPF?

Para evitar cair na malha fina ou acabar declarando com atraso, é aconselhável reunir e preparar os documentos necessários com certa antecedência e declarar o quanto antes.

Além disso, é importante conhecer bem o que pode ser deduzido da cobrança e escolher a melhor opção para economizar — o modelo simples ou o completo.

Para facilitar, o IRPF pode ser pago em até oito parcelas iguais, desde que o valor não seja menor que R$ 50.

Agora que você já sabe tudo o que precisa sobre o Imposto de Renda, ele não parece mais tão complicado, não é? Basta ficar atento ao prazo e não deixar para a última hora que você não terá problemas!

Gostou do artigo? Ficou com alguma dúvida? Deixe um comentário!